segunda-feira, 18 de abril de 2011

Ensaio Sobre Amizade



"Nesta página, hoje, com razão especial
e data marcada, estou homenageando
aqueles que têm estado comigo seja
como for, para o que der e vier"


 Parafraseando Lya Luft em Ensaio sobre a amizade.


Refletindo sobre o dia do AMIGO fiquei pensando em, como e quando parte das pessoas que eu mais gosto apareceram no meu caminho? Incrível como eu conheço criaturas maravilhosas nas situações mais improváveis possíveis! Familiares, amigos de amigos, em lugares como escolas e cursos são os mais comuns e nem por isso menos importantes, mas o fato de fazer amizade mesmo, esse sentimento tão forte em situações inusitadas faz com que eu realmente me sinta uma pessoa sortuda! 

Tem gente que eu conheci no ônibus de um passeio da escola na 4° série. Gente que eu conheci abrindo uma garrafa de refrigerante – já que o mesmo não conseguiu abri-la. Gente que respira arte comigo e divide o fato de sermos felizes principalmente quando há muita "água que passarinho não bebe". Gente que eu conheci tirando sarro, pois este dormia na minha aula preferida de literatura – “Hey Lâmpada!” Gente que eu conheci por ter o coração igualmente vagabundo ao meu. Gente que eu conheci em cima de um balcão de bar- “Me segura que eu te seguro!” Conheço macacas, gatos e mulas falantes que vivem em um Museu a céu aberto... E por ai vai! Esta é uma parte da minha lista de amigos que por um tiro certo do destino apareceram em situações inusitadas, e assim junto com outras pessoas especiais vão formando um seleto grupo que a cada dia se solidifica no meu coração.

Em mais um achado, desta vez um texto - que encontrei em uma prova pilantra que passaram na universidade semana passada, pude refletir e me encontrar em muitos trechos do texto em que Lya Luft escreveu para a revista Veja sobre Amizade.  Partindo deste, quero dizer com todo meu carinho e afeto a todos aqueles que talvez eu não saiba como retribuir o bem que fazem a mim, que aguentam esse meu jeito ‘doce’ e ‘meigo’ de ser (6), que todos vocês são pessoas dignas do meu eterno amor, que todo este tempo presente que acontece agora não faria o menor sentido se caso não houvesse vocês no meu caminho.  Eis ai o texto:

“Mais reservada do que expansiva num primeiro momento, mais para 
tímida, tive sempre muitos conhecidos e poucas, mas reais, amizades
de verdade, dessas que formam, com a família, o chão sobre o qual a
gente sabe que pode caminhar. Sem elas, eu provavelmente nem estaria aqui. Falo daquelas amizades para as quais eu sou apenas eu, uma pessoa com manias e brincadeiras, eventuais tristezas, erros e acertos, os anos de chumbo e uma generosa parte de ganhos nesta vida. Para eles não sou escritora, muito menos conhecida de público algum: sou gente.

A amizade é um meio-amor, sem algumas das vantagens dele mas sem o ônus do ciúme – o que é, cá entre nós, uma bela vantagem. Ser amigo é rir junto, é dar o ombro para chorar, é poder criticar (com carinho, por favor), é poder apresentar namorado ou namorada, é poder aparecer de chinelo de dedo ou roupão, é poder até brigar e voltar um minuto depois, sem ter de dar explicação nenhuma. [...]

Amigo é aquele a quem a gente recorre quando se angustia demais, e ele chega confortando, chamando de "minha gatona" mesmo que a gente esteja um trapo. Amigo, amiga, é um dom incrível, isso eu soube desde cedo, e não viveria sem eles. [...] E que amigos não nascem do nada como frutos do acaso: são cultivados com... amizade. Sem esforço, sem adubos especiais, sem método nem aflição: crescendo como crescem as árvores e as crianças quando não lhes faltam nem luz nem espaço nem afeto.

Nesta página, hoje, sem razão especial nem data marcada, estou homenageando aqueles, aquelas, que têm estado comigo seja como for, para o que der e vier, mesmo quando estou cansada, estou burra, estou irritada ou desatinada, pois às vezes eu sou tudo isso, ah!, sim. E o bom mesmo é que na amizade, se verdadeira, a gente não precisa se sacrificar nem compreender nem perdoar nem fazer malabarismos sexuais nem inventar desculpas nem esconder rugas ou tristezas. A gente pode simplesmente ser: que alívio, neste mundo complicado e desanimador, deslumbrante e terrível, fantástico e cansativo. Pois o verdadeiro amigo é confiável e estimulante, engraçado e grave, às vezes irritante; pode se afastar, mas sabemos que retorna; ele nos aguenta e nos chama, nos dá impulso e abrigo, e nos faz ser melhores: como o verdadeiro amor.”

Pra você que realmente leu, dê pelo menos um abraço em cada um dos seus amigos! Ou talvez mande um twitti, uma mensagem do seu telefone celular móvel, email, uma cutucada no FB, um scrap no Orkut... ou um sinal de fumaça se assim achar melhor e faça-o feliz por mais um dia especial que vocês compartilham juntos.




Muito obrigada Queridos Amigos, minhas eternas Estrelas.

5 comentários:

  1. suahushuashu qria conhecer amigos abrindo uma latinha de refri... não tenho tua sorte :(

    ResponderExcluir
  2. E assim a gente se conheceu ==> "Gente que eu conheci em cima de um balcão de bar- “Me segura que eu te seguro!”

    Adorei o texto. ♥

    Feliz dia do amigo. Por mais que eu não goste dessas datas convencionadas,pq pra mim todo dia é dia!

    Amo-te. ♥

    ResponderExcluir
  3. Eras, liiindo :)

    ResponderExcluir
  4. Gente que eu conheci tirando sarro, pois este dormia na minha aula preferida de literatura – “Hey Lâmpada!”

    ResponderExcluir
  5. Texto lindo!
    háá amizade algo inexplicavél'

    Seguindoo!

    Me segue tb: http://jennyferlima.blogspot.com/

    ResponderExcluir